quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Lula decide enquadrar PT e defende realização do ajuste fiscal.

Conquistar o apoio do partido às medidas propostas pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, foi um dos principais objetivos da reunião do ex-presidente Lula com os senadores da bancada petista. Lula acredita que o PT não pode ficar a reboque do PMDB, que se reuniu antes com Levy e hipotecou apoio ao ajuste fiscal.

Na avaliação de Lula, a fraqueza política de Dilma não permite que o PT hesite em apoiar as medidas. Senadores do partido devem parar de dar declarações que mostram resistência à nova política econômica. O ex-presidente disse que o governo precisa explicar a razão do ajuste fiscal, que seria reorganizar a economia para o país voltar a crescer.

Se até o partido da presidente apresenta resistência às medidas, isso complica a aprovação de todo o ajuste no Congresso Nacional. Não estaria na hora de o PT mostrar divisão. A popularidade do governo caiu; e a Lava Jato atingiu o partido e a Petrobras em cheio.

Lula tem batido na tecla de que as doações legais de campanha não podem ser criminalizadas. É o discurso de que há uma incoerência de julgamento sobre o tema. Para o PT, a doação legal seria fruto de corrupção. Para a oposição, que recebeu doações das mesmas empresas, seria uma doação legal de boa origem.

Detalhes em LEIA MAIS...Há investigações da Lava Jato que, de acordo com delatores, mostrariam uma correlação entre o contrato obtido pelas empresas e a doação legal aos partidos. Por que as doações feitas pelas mesmas empresas a políticos da oposição seriam corretas?

É um discurso defensivo, mas que levanta um argumento que tem consistência política. A criminalização das doações legais levaria, portanto, a um fim do financiamento privado por meio das empresas. Esse é o debate que o PT pretende travar para se defender na Lava Jato, afirmando que o financiamento público seria melhor.

No entanto, dificilmente o financiamento público puro passaria no Congresso. O PMDB, por exemplo, é contra. Pretende manter o financiamento privado das empresas, apesar da Lava Jato.

Outro ponto da estratégia petista é tentar melhorar a imagem da presidente Dilma Rousseff e do governo em São Paulo e no Nordeste.

Em São Paulo, esse trabalho teria de ser feito em parceria com o prefeito Fernando Haddad. É preciso recuperar a popularidade do prefeito para que Dilma também se beneficie.

No Nordeste, fortaleza eleitoral do PT nas últimas eleições, o objetivo é recuperar o terreno perdido. Daí a presidente ter ido à Bahia para inaugurações do “Minha Casa, Minha Vida”, que é o seu programa habitacional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário