quarta-feira, 18 de maio de 2016

PT aprova resolução com críticas ao governo Dilma e ao próprio partido.

Do G1: No primeiro encontro após o afastamento de Dilma Rousseff da Presidência da República, o Diretório Nacional do PT divulgou nesta terça-feira (17) uma resolução (leia a íntegra) em que faz críticas ao partido e ao governo Dilma.

Embora afirme que o processo de impeachment é um "golpe sem base legal", o documento diz que é preciso avaliar "de forma autocrítica, os erros cometidos" pelo partido e pelos governos petistas.

No documento, o partido critica o que chama de “esgotamento do modelo econômico” e as alianças partidárias do governo de Dilma. A resolução também afirma que a operação Lava Jato desempenhou "papel crucial na escalada golpista".

"[A operação Lava Jato] configurou-se paulatinamente em instrumento político para a guerra de desgaste contra dirigentes e governantes petistas, atuando de forma cada vez mais seletiva quanto a seus alvos", diz o texto, que foi discutido em dois dias de reuniões da cúpula da legenda em Brasília e deverá trazer mais de 30 pontos.

"O avanço do movimento golpista, no entanto, somente poderá ser corretamente entendido se avaliarmos, de forma autocrítica, os erros cometidos por nosso partido e nossos governos", diz a resolução.

Após a reunião do diretório do partido, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, ressaltou que os erros apontados no documento são coletivos e que o partido quis "fulanizar" avaliações. "Preferimos apontar os nossos erros e acertos, não estamos fazendo um pedido de desculpas nem fulanizando avaliações. Erros e acertos são coletivos. O documento tem pelo menos 13 pontos em que fazemos avaliação crítica da nossa trajetória, que é uma maneira de aprofundar o debate entre nós e a nossa militância", afirmou.

Detalhes em LEIA MAIS...
Alianças e financiamento de campanha: O documento afirma que o partido foi “contaminado pelo financiamento empresarial de campanhas” e acabou envolvido “em práticas dos partidos políticos tradicionais, o que claramente afetou negativamente nossa imagem e abriu flancos para ataques de aparatos judiciais controlados pela direita”.

Além disso, a avaliação dos petistas é que, uma vez no poder, a legenda não se dedicou, com a “devida atenção e perseverança”, a costurar uma aliança estratégica com partidos populares e movimentos sociais.

“Acabamos reféns de acordos táticos, imperiosos para o manejo do Estado, mas que resultaram num baixo e pouco enraizamento das forças progressistas, ao mesmo tempo em que ampliaram, no arco de alianças, o poder de fogo de setores mais à direita”, afirma o documento.

Desequilíbrio fiscal e reformas: Outra autocrítica feita pelo PT é a demora para perceber o “esgotamento” do modelo econômico que vigorou de 2003 a 2010. “O desequilíbrio fiscal recolocou o país em uma encruzilhada: acelerar o programa distributivista, como havia sido defendido na campanha da reeleição presidencial, ou aceitar parcialmente a agenda do grande capital”, pondera a legenda, ressaltando que o governo acabou optando pelo segundo caminho.

Em outro trecho, o documento diz que o PT incorreu “em um equívoco político” ao não tomar a frente de “tarefas fundamentais como a reforma política, a reforma tributária progressiva e a democratização dos meios de comunicação".

Para os dirigentes petistas, “apesar dos esforços constantes” para “corrigir estes desvios”, ficou claro que “suas sequelas debilitaram o PT e fragilizaram o conjunto da esquerda frente à escalada golpista”.

O PT defende que, diante do afastamento de Dilma, a sigla articule uma combinação “de todos os tipos de ação massiva e combate parlamentar para inviabilizar” as medidas “impopulares” do governo do presidente em exercício, Michel Temer, de modo a “denunciar seu caráter ilegal e impedir sua consolidação no comando”.

Após o encontro desta terça, Rui Falcão reiterou que o partido pretende liderar uma mobilização, pautada pela palavra de ordem: "Não ao golpe! Fora, Temer". Segundo ele, haverá ações de convencimento junto aos senadores para tentar barrar o processo de impeachment e também apoio a manifestações de rua. Falcão informou que o primeiro protesto foi convocado para o dia 1º de junho, quando deverá ocorrer apresentação da defesa de Dilma no processo de impeachment no Senado.

Em relação à ausência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na primeira reunião do diretório após o afastamento de Dilma, Falcão disse que o líder petista estava muito "cansado" e que já tinha batido com ele as linhas gerais do documento.

Na resolução do PT, o partido propõe, ainda, que Dilma, caso reassuma a presidência, apresente um compromisso público para uma ampla reforma política e medidas que retomem o desenvolvimento.

Ao final da reunião desta terça, o PT também deverá divulgar outro documento com diretrizes para as alianças políticas nas eleições municipais. A orientação é que sejam priorizadas as legendas que deram apoio a Dilma durante o processo de impeachment. "O PT não apoiará candidatos que votaram pelo impeachment ou que apoiaram publicamente o impeachment", disse Falcão.

Ele afirmou ainda que as alianças serão examinadas "caso a caso". "A definição é de que nós vamos primeiro priorizar alianças com PCdoB e PDT. As outras nós vamos examinar caso a caso", declarou.

"Se alguém do PMDB quiser participar conosco numa chapa na eleição municipal, que não tenha apoiado o impeachment publicamente, e que adote programas que priorizem a área social, que faça orçamento participativo, que abra o debate, que tenha transparência, que não permita corrupção, não há nenhuma objeção."

Nenhum comentário:

Postar um comentário