sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

A dona do cabaré.

Se a prova testemunhal foi chamada por juristas antigos de “a prostituta das provas”, a delação premiada é a dona do cabaré.

O sujeito é suspeito de corrupção, não merece o crédito de ninguém. Muito menos do MP. De suspeito, vira acusado. De acusado, vira indiciado. De indiciado, vira réu. Até aí, é um mentiroso culpado de tudo, enquanto negar a culpa e não acusar ninguém.

De repente, o caráter muda.

Resolve assumir a culpa e culpar terceiros. Aí adquire crédito. De mentiroso, vira patriota. E tudo que antes era mentira, agora vira estuário da verdade.

O delator premiado é a cara do Brasil institucional. Da desonestidade institucionalizada. Da mentira edificada. Do arrependimento conveniente.

Onde a incompetência inquisitorial oferece à sociedade um porrete melado de bosta nas duas pontas.

Se o esclarecimento de crimes e descoberta de criminosos só se dá pela delação, pra que então gastar dinheiro público com todo esse aparato investigativo? É melhor fazer caixa para comprar delatores.

No Direito Processual, assim como na Arte, a forma da feitura supera o conteúdo do feito!
Do Blog do François Silvestre

Nenhum comentário:

Postar um comentário